O Golfe

O GOLFE - O Handicap

Textos de Fernando Fragoso, publicados na revista "Inter.Face"

O golfe amador é provavelmente o único desporto que possibilita aos jogadores de capacidades mais modestas competir contra os melhores. Isto consegue-se pelo facto de existirem handicaps. Como bem sabem os golfistas, a teoria é que um jogador de handicap 0 (zero, scratch) supostamente faz uma volta em par do campo, enquanto o jogador mais modesto precisa de uma compensação, um handicap. Em Portugal, os handicaps vão até 36 para homens e senhoras. O sistema é feito para acompanhar a evolução do jogador e deve reflectir a verdadeira capacidade deste.

Os golfistas jogam a maior parte das suas voltas no seu home club, ou seja, no clube onde estão filiados. A maior parte dos jogadores desenvolve o seu handicap em apenas um ou dois campos. Porém, o sistema de handicaps utilizado na Europa ao longo dos últimos 17 anos não considera a dificuldade dos vários campos para o jogador normal, considerando unicamente o ponto de vista do jogador sctratch, através do SSS, o Standard Scratch Score. Isto leva a que um jogador de handicap 12 obtido num campo fácil terá dificuldades em ganhar a um handicap 12 obtido num campo difícil.

Ver Handicaps EGA

Como corrigir esta falha do sistema?

Em 1987, após anos de estudo e avaliação da dificuldade relativa de centenas de campos de golfe nos EUA, a Associação de Golfe dos Estados Unidos (USGA) implementou um novo sistema com duas componentes principais:

1 - Course Rating (CR) - número de pancadas que, em média e em condições normais, um jogador scratch necessita para jogar o campo.

2 - Slope Rating (SR) - factor baseado na diferença de jogo entre o jogador scratch e o jogador de handicap 20. Este varia entre 55 para o campo mais fácil e 155 para o mais difícil.

O cálculo de Course Rating é baseado numa fórmula complexa mas objectiva, tendo em conta os seguintes factores:

Comprimento do campo
Ventos predominantes
Dog-legs, lay-ups, roll e altitude
Topografia
Largura dos fairways
Green como alvo (diâmetro, ondulação e velocidade)
Bunkers (localização, tamanho e profundidade)
Altura do rough
Distância a obstáculos de água, out-of-bounds e árvores
Psicologia (soma das dificuldades)

A classificação tem de ser executada por uma equipa experiente de classificadores de campos.

 

 

Revised: 08-03-2012 .